quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

UMA PALAVRA SOBRE ZILDA ARNS


Ela Morreu Levando a Esperança e Ensinando a Cultivar a Vida.




Existem pessoas que fazem a diferença no mundo em que vivemos, pessoas preocupadas com aqueles que sofrem, pessoas que procuram, com um pouco do que sabem ou do que têm, ajudar a muitos que precisam, e o mais interessante é que essas pessoas morrem, acho que essas pessoas não poderiam morrer, mas afinal de conta todos morremos, todos chegamos ao fim de nossa existência, e acredito que todos prestaremos contas a nosso Deus e mesmo à História daquilo que fizemos com nossa existência neste mundo.


Que perda irreparável a morte de Drª. Zilda Arns. Uma mulher com uma missão bem definida: ajudar os pobres e os menos favorecidos. Zilda foi pioneira e precursora em métodos e iniciativas de apoio e defesa da criança. "Seus programas de ação modelaram e inspiraram projetos mundo afora, salvando a vida de milhares de crianças e adolescentes".


Ela estava no Haiti em missão falava em uma igreja sobre a Pastoral da Criança a pedido da Conferência dos religiosos daquele País. Ela estava fazendo um discurso para cerca de 150 pessoas, quando ocorreu o terremoto. Os escombros caíram sobre ela. Segundo as pessoas que estavam no local, ela faleceu na hora. Não era só no Haiti que Zilda pretendia ajudar a população com a receita simples mas eficiente do soro caseiro e do controle da pesagem. Sua fórmula vencedora foi capaz de reduzir a mortalidade infantil e mobilizar um verdadeiro exército de voluntários em todo o mundo.


Nascida em 25 de agosto de 1934, em Forquilhinha (Santa Catarina), Zilda Arns Neumann morava em Curitiba desde os 10 anos de idade, quando se mudou com a família. Formada em Medicina, escolheu o caminho da saúde pública desde cedo. Trabalhou inicialmente como pediatra do Hospital de Crianças Cezar Pernetta, na capital paranaense, e posteriormente como diretora de Saúde Materno-Infantil, da Secretaria de Saúde do Estado do Paraná.


Em 1983, a pedido da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), criou a Pastoral da Criança com Dom Geraldo Majela Agnello, cardeal e arcebispo primaz do Brasil, que na época era arcebispo de Londrina. A principal missão desta pastoral formada por milhares de voluntários que levam conhecimentos sobre saúde, nutrição, educação e cidadania para as comunidades mais pobres.


Zilda Arns era daquelas pessoas que, mesmo quando não conhecemos pessoalmente, fazem parte do nosso mundo porque nos seduzem pelo testemunho, pela alegria de ser Cristão e viver como tal que nos deixam na história.



Zilda Arns continua viva em nossos corações pelo exemplo de mulher sempre preocupada com os mais necessitados, a saúde das crianças foi a preocupação que regeu a vida dessa batalhadora que chegou a ser indicada ao Prêmio Nobel da Paz. Humanitária, preocupou-se também com o outro extremo da nossa vida terrestre: as pessoas idosas, sendo fundadora da Pastoral do Idoso.


Zilda Arns era dessas raras pessoas que estão acima de partidos e ideologias. Sua vocação era a Caridade para com o próximo aquele que precisava sem perguntar por sua religião ou posição política O jeito com que falava era tranqüilo, ficará guardado na nossa memória, eternamente, aquele sorriso da felicidade do serviço. Era irmã de D. Paulo Evaristo Arns, o arcebispo emérito de São Paulo, que tem o mesmo jeito de ser, de se falar, de se comportar perante o mundo.


Ela deixa milhares de seguidoras e seguidores do seu trabalho. São líderes comunitários espalhados pelo mundo, aquelas e aqueles que embaixo de sol ou chuva vão de porta em porta, de casa em casa, ensinando às mães noções simples de cuidados com os filhos que possam, garantir a sobrevivência de milhares de meninos e meninas.



Que o seu exemplo de vida sirva para todos nós! E queridas e queridos lideres da Pastoral da Criança continuem fortemente animados pelo exemplo dela a Levar as “Crianças e terem Vida e Vida em abundância”


Zilda Arns Descanse em paz! Que as Crianças te acolham no reino do Céu!



Pe. Antonio José Albertine
Vice-Assistente Nacional das Congregações Marianas do Brasil.
fonte: site salve maria
Salve Maria!

Nenhum comentário:

Postar um comentário